MAIS COISAS >> Entrevistas

  • Edmar Santos e a revolução no Hospital Pedro Ernesto

    Da Redação em 30 de Agosto de 2018    Informar erro
    Ao assumir a direção do Hospital Universitário Pedro Ernesto em janeiro de 2016, o médico e professor da UERJ Edmar Santos conseguiu fazer uma revolução no local. Graças a um choque de gestão, ao lado de uma equipe de 15 especialistas, garantiu verba orçamentária que tirou o hospital da falência e partiu para um ousado plano de infraestrutura que está modernizando o então decadente prédio em Vila Isabel. Os resultados podem ser sentidos e vistos por todos.
     
    Em entrevista ao jornal Bafafá, Edmar Santos faz um balanço das mudanças e dos planos até o final de sua gestão em dezembro de 2019. “Provamos que com profissionalismo e determinação é possível um hospital público funcionar decentemente”, assegura.
     
    Como encontrou a situação do hospital quando assumiu?
    O hospital esteve três vezes a ponto de fechar nos últimos anos. As empresas terceirizadas que cuidam da limpeza, segurança, lavanderia, alimentação e manutenção predial estavam há cinco meses sem receber. Além disso, médicos e servidores tinham três meses de salários atrasados. A situação só não foi pior porque firmamos um pacto de trabalhar, apesar das dificuldades, fazendo um rodízio de funcionários e servidores. Dos 350 leitos até 2015, tínhamos apenas 70 em outubro de 2017. As instalações não passavam por obras há mais de 20 anos e até a portaria principal estava desativada.
     
    Qual foi a primeira medida?
    O déficit era de R$ 64 milhões. A primeira medida foi garantir, a partir de abril de 2016, um aporte mensal de R$ 7 milhões vindos dos arrestos judiciais que eram praticados no caixa do Estado. A verba era 30% menor do que tinha sido aprovado na Lei Orçamentária para o hospital. Hoje temos R$ 8 milhões do tesouro e mais R$ 3 milhões do SUS. Ganhamos oxigênio e partimos para um programa de mudança de filosofia de trabalho e de investimentos na unidade.
     
    O que foi possível fazer?
    Integramos os laboratórios do Pedro Ernesto com a Policlínica Piquet Carneiro que funciona como centro ambulatorial. Zeramos também a fila de cirurgia de câncer de próstata, reabrimos a enfermaria de pneumologia, inauguramos a enfermaria de reumatologia que cuida de doenças como lúpus e artrite. E estamos construindo um novo Centro de Tratamento Oftalmológico que vai triplicar o número de cirurgias (catarata, retina e glaucoma). Conseguimos ainda R$ 16 milhões em novos equipamentos e estamos trabalhando para implantar cirurgias robóticas. E para completar estamos dotando o local com Wi-Fi. Para coroar, brevemente inauguramos um bandejão para servidores e alunos maior ainda do que o da própria UERJ. Até o final de minha gestão estará funcionando o Centro Universitário de Controle do Câncer com o 1º equipamento de PEP Scan do hospital.
     
    E na parte de infraestrutura?
    Fizemos um amplo projeto de modernização das instalações com reforma e pintura interna e externa, troca das janelas, instalação de corrimão nas escadas, recuperação de seis elevadores de alimentos que estavam parados há anos e ainda estamos reformando as enfermarias, instalando ar condicionado em todo o hospital e construindo um novo almoxarifado que vai devolver a quadra poliesportiva onde funciona precariamente. Trocamos ainda os transformadores, geradores e subestações de energia.
     
    A parte tecnológica também está sendo modernizada?
    Sim. Implementamos o prontuário eletrônico que melhorou o atendimento, faturamento junto ao SUS e que deu mais segurança ao paciente. Este sistema constitui também um amplo banco de dados para pesquisas clínicas e reduz fraudes. Adotamos ainda catracas eletrônicas com código de barra.
     
    Qual é a estrutura do hospital?
    Somos uma instituição pública de ensino, formação de recursos humanos e de pesquisas. Temos 55 áreas de especialidades, 450 médicos residentes e mais 200 residentes nas áreas de enfermagem e fisioterapia. Fomos o primeiro hospital no Rio de Janeiro a fazer transplante renal, de coração e de medula, além de termos excelência em neurocirurgia, tratamento cardiovascular e urologia. Além disso, somos o primeiro hospital do Brasil a fazer mudança de sexo e implante de próteses penianas. Temos ainda o maior centro no Rio em tratamento de anomalias cranofaciais e cirurgias reconstrutivas. Sem deixar de mencionar que temos excelência em tratamento do câncer com equipamentos de última geração, inclusive um de radioterapia que tem apenas um similar no INCA.
     
    Qual é o procedimento para ser atendido no Pedro Ernesto?
    Nosso atendimento é 100% pelo SUS. Consultas e exames de média e baixa complexidade são feitos pelo SISREG – Sistema de Regulação, a partir do atendimento em postos de saúde e clínicas de saúde da família. Procedimentos mais especializados e internações são feitos através do SER – Serviço Estadual de Regulação - de pacientes internados em unidades hospitalares ou UPAs do Estado. Somente em casos muito especiais atendemos outros pacientes, principalmente na pesquisa de novos medicamentos ou procedimentos experimentais.
     
    O senhor tem alguma utopia?
    Implementar um modelo de gestão semelhante em todos os hospitais públicos do país. Provamos que com profissionalismo e determinação é possível um hospital público funcionar decentemente.
     

    ATENÇÃO
    Não somos responsáveis por alterações na programação.
    Recomendamos que confirmem os eventos através dos links ou telefones divulgados.
    Apenas organizamos e compartilhamos a informação.




    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Comentário do post Luciana:
        O Hospital e realmente um modelo a ser seguido; muito feliz! Minha filha ficou no CTI do hospital 18 dias e teve o melhor atendimento e cuidados! A equipe inteira de parabéns! Agora vai pra enfermaria e sei que a excelência de atendimento será a mesma. Obrigada professor doutor por cuidar de vidas!

      • Comentário do post Sylvia Martins Bertho:
        Parabéns Dr. Edmar e equipe em colocar nosso HUPE no lugar merecido e por direito. Sabemos que não é fácil chegar até aí mas,com persistência os objetivos e as metas estão sendo cumpridos. Acredito que até 2019, tem muitas coisas positivas para que teremos mais orgulho de nossa casa. UERJ/HUPE vencerão.

      • Comentário do post claudio dantas:
        Com trabalho e dedicação, se pode ver que o impossível não existe.Com honestidade e dedicação tudo pode ser resolvido.Parabens ao Professor Edimar.

      • Comentário do post Anônimo:
        Indignado com essa falácia! Servidores assediados antes durante e após a greve por um grupo de "gestores". Assédio, falta de transparência e desrespeito à instituição é o legado dessa gestão. Infelizmente a entrevista é uma conotação.

      • Comentário do post Maria Alice Magalhães:
        Tenho um carinho especial por este hospital que possui profissionais de excelência e fico muito feliz que ele esteja sendo reestruturado. Parabéns a atual gestão!

      • Comentário do post Placido Pascoal:
        Me identifico como servidor da casa e aí longo desses 34 anos trabalhando observei q poucas foram as reformas e inovações internas q deixava bastante preocupado. Hoje a situação é outra e é confortável saber q nossa população está bem servida com referência ímpar só tem agradecer a luta q foi de todos profissionais empenhados e engajamento principalmente da equipe de enfermagem q MSM com seu contigente deficitário e sem o pagamento em dia estiveram a frente se suas responsabilidades elevando e valorizando cada vez mais esta classe q fez tudo pra não deixar a "peteca cair". Sou feliz vendo os colegas de trabalho empenhados e acima de qualquer obstaculo o bem servido a nossa população é a prioridade. Parabéns !!!

      • Comentário do post Gabriel Tolstoy:
        essa matéria é uma coleção de mentiras impressionante. não houve "pacto" de continuar trabalhando sem salário: os funcionários estivemos em greve durante todo o ano passado e boa parte do retrasado e esse diretor ameaçava cotidianamente a categoria, chegando inclusive a recorrer à justiça para nos obrigar a trabalhar sem receber, sem sucesso. o sistema de prontuário eletrônico é universalmente odiado pelos trabalhadores por ser lento, ineficiente e cheio de bugs, e é de responsabilidade de uma empresa investigada por corrupção no INTO.

      • Comentário do post Adriano Reis:
        Exemplo de profissional. Espero q vá logo para a secretaria de saúde do estado...no mínimo.

      • Comentário do post Artur Ferreira de andrade:
        Dr Edgar parabéns sensacionalismo nso leva a nada profissionalismo honestidade e vontade de trabalhar leva a esse sucesso que é hoje o nosso HUPE. Deus te ilumine sempre sucesso amigo

      • Comentário do post João Nóbrega:
        Excelente, isso é a prova de que a vontade de fazer é o primeiro passo; seguido da determinação, e profissionalismo. Tem muito a fazer pelo País, e são exemplos como esse que fortalecem aqueles que querem a "melhoria da saúde". Parabéns a Equipe!!!!!

      • Comentário do post Sérgio Henrique:
        Parabéns professor Edmar pela determinação e competência. 2


CURTA O BAFAFÁ!

DIVULGAÇÃO










#AGENDABAFAFA