MAIS COISAS >> Entrevistas

  • Leonardo Boff: O impeachment é uma vergonha

    Da Redação em 07 de Maio de 2016

    Genézio Darci Boff, mais conhecido com o pseudônimo de Leonardo Boff, é teólogo, escritor e professor universitário, expoente da Teologia da Libertação no Brasil e conhecido internacionalmente por sua defesa dos direitos dos pobres e excluídos. Nascido em Concórdia, Santa Catarina, em 14 de dezembro de 1938, é um dos principais pensadores de esquerda no país e defensor de uma nova ordem ecológica mundial.
    Ex-membro da Ordem dos Frades Menores (franciscanos) e atualmente professor emérito de Ética, Filosofia da Religião e Ecologia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Leonardo Boff fala com exclusividade ao Bafafá. Segundo ele, o impeachment de Dilma é um jogo de cartas marcadas. “Pareciam moleques brincando numa praça”. Para ele, se Temer chegar à presidência será a perpetuação da crise. “Temer é um fraco, um vaidoso que cometeu crime de sedição, pelo qual deveria ser julgado”, fuzila.

    Como viu a vitória do impeachment na Câmara dos Deputados?

    Vi o impeachment com tristeza e vergonha pelo baixo comportamento dos deputados. Ninguém julgou os dois pontos que constituíam a acusação. Somente se ativeram ao discurso moralista da corrupção, sabendo que grande parte deles são corruptos. As cartas já estavam marcadas e o resultado só poderia ser a aceitação da admissibilidade do impedimento.

    O que achou do nível dos parlamentares que votaram a favor?

    Pareciam moleques brincando numa praça, sem qualquer sentido da gravidade do que estavam votando: a eventual destituição da mais alta autoridade do país.

    A opção foi pelo "fim justifica os meios"?

    Nem podemos falar de opção. Era um vale tudo. Muitos traíram e o pior deles foi o Kassab que era ministro e pouco antes estivera com a Presidenta. Ele mostra a falta de caráter do partido oportunista que fundou e do parlamento em geral.

    Um eventual governo Temer vai conseguir governar?

    Temer é um fraco, um vaidoso que cometeu crime de sedição, pelo qual deveria ser julgado. Não tem credibilidade e grande rejeição popular. Se for presidente será a perpetuação da crise. Mas para ele o que importa é que um dia na história ocupou a presidência sem se perguntar pela qualidade de seu exercício.

    Qual é o caminho para as forças progressistas?

    Não resta outro caminho senão resistir e reivindicar permanentemente a democracia. E lutar para que, caso Dilma passe pelo Senado, volte a governar com uma clara inflexão para a esquerda. A Presidência deve ser de coalizão menos com os partidos, mais com os movimentos sociais. Dai pode surgir uma qualidade nova da democracia, a democracia participativa que completa a representativa.

    Qual é o recado para os movimentos sociais?

    Os movimentos sociais devem ocupar as ruas e praças, organizar discussões permanentes com convidados de fora e de dentro e pressionando os parlamentares para que deixem de ser moucos e corruptos. Devem aproveitar a crise para aprofundar a questão “que Brasil queremos”. Esse que está aí não pode mais continuar, mesmo sendo do PT. Este deve se renovar a partir de onde nasceu, das bases populares. Queremos um Brasil-sociedade e não um Brasil-negociatas.

    Acredita em alguma reação do STF?

    Tenho sérias suspeitas da isenção do STF. Ele se mostrou omisso ao não julgar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha já réu de vários crimes e por ter submetido o Brasil nacional e internacionalmente à vergonha de um gangster organizar o julgamento de uma pessoa honrada. Talvez o próprio STF tema a delação premiada de Cunha, pois não é excluída a possibilidade de envolver algum magistrado desta mais alta corte do país uma vez que a corrupção campeia em todas as instâncias.

    Abril de 2016
    Entrevista concedida ao editor do Bafafá Ricardo Rabelo


    ATENÇÃO
    Não somos responsáveis por alterações na programação.
    Recomendamos que confirmem os eventos através dos links ou telefones divulgados.
    Apenas organizamos e compartilhamos a informação.


CURTA O BAFAFÁ!

DIVULGAÇÃO










#AGENDABAFAFA