ARTE E CULTURA >> Cinema

  • Mostra Luis Ospina - Cinema Colombiano de Vanguarda

    Da Redação em 20 de Junho de 2017    Informar erro
    Local: Caixa Cultural Rio
    ENDEREÇO: Av. Almirante Barroso, 25 - Centro
    DETALHES:

    27 de junho a 9 de julho de 2017. Ingresso: R$ 4

    Com curadoria de Lúcia Ramos Monteiro, a mostra traz uma retrospectiva completa do realizador colombiano fundador do Grupo de Cali e expoente do cinema independente da Colômbia. Autor de ficções, documentários e filmes experimentais, Luis Ospina é reconhecido internacionalmente por sua obra, mas permanece pouco divulgado no Brasil. A mostra tem a intenção de reparar essa distorção, trazendo, inclusive, o diretor para uma masterclass gratuita no dia 1º de julho (sábado), às 15h.

    Apresentando um total de 34 filmes, A Caliwood de Luis Ospina: Cinema colombiano de vanguarda conta com 29 realizações do cineasta, entre longas e curtas-metragens, além de produções de parceiros como Carlos Mayolo e Patricia Restrepo, com os quais colaborou direta ou indiretamente. Entre os destaques estão o falso documentário Agarrando pueblo – Os vampiros da miséria (1978), de Ospina e Mayolo; Sopro de vida (1999) e Um tigre de papel (2007), de Ospina; A mansão de Araucaima (1986) e Carne de tu carne (1983), de Mayolo; além da mais recente realização de Ospina, Tudo começou pelo fim, longa documental que revisita toda a história de Caliwood e seus principais colaboradores.

    Representação feminina:

    E se Ospina, Mayolo e Caicedo são consideradas as figuras mais conhecidas do movimento cultural que teve como epicentro a Ciudad Solar, em Cali, a verdade é que muitas mulheres também desempenharam papéis fundamentais na produção cinematográfica dali, entre diretoras, figurinistas, produtoras, montadoras, etc. Dentre elas, destaca-se a realizadora Patricia Restrepo, representada na mostra por dois de seus filmes, de forte teor feminista: Pela manhã (1979), codirigido por Bellien Maarschalk, e Momentos de um domingo (1985). Restrepo foi companheira de Caicedo e de Mayolo, tendo participado ativamente do Grupo de Cali.

    Atividades paralelas:

    Além da masterclass no dia 1º (sábado), na qual o diretor discutirá sua profícua trajetória e a circulação do cinema experimental latino-americano, a mostra ainda oferece o minicurso Revoluções do cinema colombiano. Em três encontros, os pesquisadores Consuelo Lins (UFRJ), Fabián Núñez (UFF) e Marc Berdet (USP) debaterão diferentes aspectos do cinema de Luis Ospina e da Caliwood. As aulas serão realizadas nos dias 29 de junho (quinta), 6 de julho (quinta) e 7 de julho (sexta), sempre às 17h. Todas as atividades são gratuitas e os ingressos deverão ser retirados com uma hora de antecedência. Haverá certificado para os participantes do minicurso.

    Sobre Luis Ospina e Caliwood:

    Na Cali dos anos 1970, um trio composto por Luis Ospina (1949-), Carlos Mayolo (1945-2007) e Andrés Caicedo (1951-1977) iniciou um movimento de efervescência cinematográfica e cinefílica. Tendo como base uma casa ocupada coletivamente, a Ciudad Solar, eles escreviam críticas de cinema, programavam sessões em um cineclube e filmavam, reunindo um grupo cada vez maior de artistas, escritores, fotógrafos, atores, técnicos, cinéfilos, intelectuais e interessados.

    Único sobrevivente da tríade fundadora do Grupo de Cali, Luis Ospina é o guardião da memória desse movimento e do chamado “Gótico Tropical”, cuja história vem contando em uma série de belos filmes. Autor de uma vasta, contundente e constante filmografia, que combina ficções, documentários e filmes experimentais, Ospina situa seus trabalhos na intersecção entre o cinema, o vídeo e as artes visuais ao mesmo tempo em que oferece um retrato da cultura e da sociedade colombianas para além dos estereótipos de violência e tráfico de drogas.

    Ao longo de sua carreira, o diretor ganhou reconhecimento internacional, tendo filmado ao lado do franco-chileno Raúl Ruiz e do franco-suíço Barbet Schroeder, além de lecionar em escolas de cinema da Argentina, do Chile e do México e de exibir seu trabalho em inúmeros países (Estados Unidos, França, Espanha, Portugal, México, Cuba, Argentina, Chile, etc.). O MoMA (Museum of Modern Art), de Nova York, organizou recentemente sessões em sua homenagem e a Cinemateca do México dedicou-lhe, em 2014, uma importante retrospectiva. Seus filmes foram premiados em festivais realizados não somente na Colômbia, mas também em Cuba, na Espanha e na França. Livros e artigos foram publicados a seu respeito.

    Programação:

    27 de junho (terça-feira)

    16h – Tudo começou pelo fim (2015), de Luis Ospina, 208 min. Livre

    19h30 – Recepção de abertura

    28 de junho (quarta-feira)

    15h – No pé (1991), de Luis Ospina, 25 min. Livre + No cabelo (1991), de Luis Ospina, 25 min. Livre + Na corrida (1991), de Luis Ospina, 25 min. Livre.

    17h – Andrés Caicedo: uns poucos bons amigos (1986), de Luis Ospina, 86 min. 16 anos

    19h – Em busca de María (1985), de Luis Ospina e Jorge Nieto, 15 min. Livre + Fotofixações: retrato falado de Eduardo Carvajal (1989), de Luis Ospina, 25 min. Livre + Slapstick: a comédia muda norte-americana (1989), de Luis Ospina, 50 min. Livre.

    29 de junho (quinta-feira)

    15h – Ouça Veja (1972), de Luis Ospina e Carlos Mayolo, 27 min. Livre + Cali: de película (1973), de Luis Ospina e Carlos Mayolo, 14 min. Livre + Agarrando pueblo (1978), de Luis Ospina e Carlos Mayolo, 27 min. Livre + Olho e vista: periga a vida do artista (1987), de Luis Ospina, 26 min. Livre.

    17h – Minicurso Revoluções no cinema colombiano – Documentário, documentira, com Consuelo Lins

    18h45 – Um tigre de papel (2007), de Luis Ospina, 114 min. Livre

    30 de junho (sexta-feira)

    15h – Antonio María Valencia: música de câmara (1987), de Luis Ospina, 87 min. Livre

    17h – Asunción (1975), de Luis Ospina e Carlos Mayolo, 15 min. Livre + Pela manhã (1979), de Bellien Maarschalk e Patricia Restrepo, 8 min. Livre + Momentos de um domingo (1987), de Patricia Restrepo, 24 min. Livre.

    18h30 – O desassossego supremo: retrato incessante de Fernando Vallejo (2003), de Luis Ospina, 90 min. 14 anos

    01 de julho (sábado)

    15h – Masterclass com Luis Ospina

    17h – Autorretrato póstumo de Lorenzo Jaramillo (1993), de Luis Ospina, 9 min. Livre + Nosso filme (1993), de Luis Ospina, 96 min. 16 anos.

    19h – A mansão de Araucaima (1986), de Carlos Mayolo, 85 min. 16 anos

    02 de julho (domingo)

    15h – Ato de fé (Redux) (1970/2017), de Luis Ospina, 17 min. 14 anos + Monserrate (1970), de Carlos Mayolo e Jorge Silva, 6 min. Livre + Autorretrato (Dormido) (1971), de Luis Ospina, 3 min. Livre + O bombardeio de Washington (1972), de Luis Ospina, 1 min. Livre + Capítulo 66 (1994), de Luis Ospina e Raúl Ruiz, 25 min. 12 anos + Vídeo (B)art(h)es (2003), de Luis Ospina, 3 min. Livre.

    16h30 – Tudo começou pelo fim (2015), de Luis Ospina, 208 min. Livre

    04 de julho (terça-feira)

    15h – Adeus a Cali! (1990), de Luis Ospina, 50 min. Livre

    16h30 – Ouça veja (1972), de Luis Ospina e Carlos Mayolo, 27 min. Livre + Cali: de película (1973), de Luis Ospina e Carlos Mayolo, 14 min. Livre + Agarrando pueblo (1978), de Luis Ospina e Carlos Mayolo, 27 min. Livre + Olho e vista: periga a vida do artista (1987), de Luis Ospina, 26 min. Livre.

    18h20 – Mucho gusto (1997), de Luis Ospina, 138 min. 16 anos

    05 de julho (quarta-feira)

    15h – Um tigre de papel (2007), de Luis Ospina, 114 min. Livre

    17h30 – Sopro de vida (1999), de Luis Ospina, 110 min. 16 anos + Debate com Luis Ospina

    06 de julho (quinta-feira)

    15h – Puro sangue (1982), de Luis Ospina, 98 min. 16 anos.

    17h – Minicurso Revoluções no cinema colombiano – Sobre o Gótico Tropical, com Marc Berdet

    19h – Carne de sua carne (1983), de Carlos Mayolo, 94 min. 16 anos

    07 de julho (sexta-feira)

    15h – Em busca de María (1985), de Luis Ospina e Jorge Nieto, 15 min. Livre + Fotofixações: retrato falado de Eduardo Carvajal (1989), de Luis Ospina, 25 min. Livre + Slapstick: a comédia muda norte-americana (1989), de Luis Ospina, 50 min. Livre.

    17h – Minicurso Revoluções no cinema colombiano – O cinema colombiano nos anos 1960 e 1970: conjuntura e estética, com Fabián Núñez

    19h – Andrés Caicedo: uns poucos bons amigos (1986), de Luis Ospina, 86 min. 16 anos

    08 de julho (sábado)

    15h – Arte-são quadra a quadra (1988), de Luis Ospina, 25 min. Livre + Câmera ardente (1990-1991), de Luis Ospina, 50 min. Livre.

    17h – Ato de fé (Redux) (1970/2017), de Luis Ospina, 17 min. 14 anos + Monserrate (1970), de Carlos Mayolo e Jorge Silva, 6 min. Livre + Autorretrato (dormido) (1971), de Luis Ospina, 3 min. Livre + O bombardeio de Washington (1972), de Luis Ospina, 1 min. Livre + Capítulo 66 (1994), de Luis Ospina e Raúl Ruiz, 25 min. 12 anos + Vídeo (B)art(h)es (2003), de Luis Ospina, 3 min. Livre.

    18h30 – Sopro de vida, (1999), de Luis Ospina, 110 min. 16 anos

    09 de julho (domingo)

    15h – O desassossego supremo: retrato incessante de Fernando Vallejo (2003), de Luis Ospina, 90 min. 14 anos

    17h – Antonio María Valencia: música de câmara (1987), de Luis Ospina, 87 min. Livre

    19h – Autorretrato póstumo de Lorenzo Jaramillo (1993), de Luis Ospina, 9 min. Livre + Nosso filme (1993), de Luis Ospina, 96 min. 16 anos. Total 105 min


    ATENÇÃO
    Não somos responsáveis por alterações na programação.
    Recomendamos que confirmem os eventos através dos links ou telefones divulgados.
    Apenas organizamos e compartilhamos a informação.


    • ARTE E CULTURA QUE PODEM TE INTERESSAR

      Documentário inédito sobre Ferreira Gullar na Casa de Cultura Laura Alvim
      Saiba Mais
      VerCiência 2016 – 22ª Mostra Internacional de Ciência na TV
      Saiba Mais
      Festcine Imperial em Petrópolis
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

CURTA O BAFAFÁ!

DIVULGAÇÃO










#AGENDABAFAFA