ARTE E CULTURA >> Exposição

  • Pau, corda, cores e (re) invenções: instrumentos e artesanatos do Carimbó

    Da Redação em 22 de Agosto de 2019    Informar erro
    Local: Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular
    ENDEREÇO: Rua do Catete, 179 ( ao lado do metrô Catete)
    CONTATO: 21 3826-4322
    DATA : 22/08/2019 HORA : 10h às 18h VALOR : Grátis
    DETALHES: De 25/7 a 15/09/19 | terça a sexta: das 10h às 18h - sab, dom e feriados, das 15 às 18h | Entrada grátis 
    Nesta quinta-feira, 22 de agosto, é comemorado no Brasil o Dia do Folclore, que ganha contornos especiais no Museu de Folclore Edison Carneiro, um guardião da arte popular em território nacional. 
     
    O Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP/Iphan) é referência em todo o país pelo valor de seu acervo, que soma hoje cerca de 17 mil objetos.  Atualmente, o público pode conferir a exposição Pau, corda, cores e [re] invenções: instrumentos e artesanatos do Carimbó com representações do gênero secular que vieram diretamente do Pará.
     
    Declarado Patrimônio Cultural em 2014, o Carimbó pode ser descrito como uma forma de expressão que envolve múltiplas linguagens como a dança, o canto, o ritmo, a culinária e a produção artesanal. E promove redes de sociabilidades, seja na produção das festas, seja no cotidiano, bem como formas particulares de lidar com o ambiente ao redor, adaptando e reaproveitando materiais.
     
    Justamente no reaproveitamento de materiais está uma das curiosidades da exposição. Estão lá pandeiros feitos com madeira reciclada, banjos formados por tubos de PVC e até chapas de raio-x utilizadas em combinação com um disco de vinil. A base instrumental mais recorrente dos grupos de artistas, que fazem rodas em várias celebrações, envolve tambor, maraca, milheiro, banjo e sopro.
     
    Há também miniaturas feitas em barro dos artistas tocando os instrumentos e exuberantes indumentárias que mulheres e homens utilizam para dançar nas rodas. 
     
    Há mais de 200 anos, o Carimbó mantém sua tradição em quase todas as regiões do Pará, e tem se reinventado constantemente. Seus instrumentos, sua dança e música são resultados da fusão das influências culturais indígena, negra e ibérica; e a memória coletiva dos mestres e seus descendentes tem mantido vivo o patrimônio. 

    ATENÇÃO
    Não somos responsáveis por alterações na programação.
    Recomendamos que confirmem os eventos através dos links ou telefones divulgados.
    Apenas organizamos e compartilhamos a informação.


    • ARTE E CULTURA QUE PODEM TE INTERESSAR

      Planos de Contingência, exposição gratuita na UERJ
      Saiba Mais
      Exposição New Territories, de Marcela Gontijo
      Saiba Mais
      Exposição O triunfo da Cor traz Van Gogh, Gauguin e Cézanne
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

CURTA O BAFAFÁ!

DIVULGAÇÃO










#AGENDABAFAFA