ARTE E CULTURA >> Teatro

  • Frida Kahlo, a deusa tehuana reestreia no Teatro Maison de France

    Da Redação em 03 de Janeiro de 2020    Informar erro
    Local: Teatro Maison de France
    ENDEREÇO: Av. Pres. Antônio Carlos, 58 - Centro
    CONTATO: 21 2544-2533
    DETALHES: De 17/01 a 16/02 | Sexta a domingo às 19h | Ingressos: R$ 60 / 30 (meia)
    Sucesso de público e crítica, Frida Kahlo, a deusa tehuana é um monólogo livremente inspirado no diário e na obra da pintora mexicana, que desconstrói o mito para apresentar uma Frida mais humana, bem diferente da figura pop e ícone gay na qual foi transformada no mundo inteiro.
     
    Alguns artistas ultrapassaram a popularidade adquirida com seu trabalho e tornaram-se sua melhor arte. Frida Kahlo pintou sua própria face um sem número de vezes no corpo de uma obra intensamente auto-referenciada. Teatralizou a sua própria existência, foi a expressão maior de luta superação mesmo trazendo consigo as maiores dores – físicas e existenciais. No lugar do luto, vestiu-se de cores.

    A montagem do espetáculo foi longa e incluiu uma viagem de Rose e Luiz Antônio ao México, visitando a cidade do México, Oaxaca, Teothihuacan, na qual encontraram a Frida que queriam montar. A pintora que transformou a dor em arte estava despida para dar vida à deusa tehuana.

    “Tudo o que é óbvio sobre Frida, eu excluí da dramaturgia. Queria justamente algo que não estivesse nos registros oficiais da história, que mergulhasse no sentimento mais profundo de uma mulher que queria ser mãe e não conseguiu, que era frágil e, ao mesmo tempo, forte e determinada. Colocamos o inédito, o que as pessoas sequer imaginam, como a sua relação com os médicos e a descoberta da colecionadora de arte Dolores Olmedo”, adianta Luiz Antonio Rocha.

    A peça abre com o prólogo de Dolores Olmedo Patiño, marchand que possui a maior coleção de Frida Kahlo e Diego Rivera no mundo. Responsável por preservar e difundir o acervo do casal. Dolores e Frida nunca foram amigas; duas mulheres apaixonadas pelo mesmo homem, uma colecionadora de arte, a outra a expressão da própria arte.

    Ao falar sobre o que a inspirou a viver Frida Kahlo no teatro, Rose comenta que “há uma similaridade entre as culturas mexicana e brasileira, especificamente a nordestina, em que estão as minhas raízes. Sou de Riacho do Meio, uma cidadezinha do interior da Paraíba. Foi aí que me inspirei, nesse povo guerreiro, nas histórias de mulheres cheias de vida e coragem.” E sobre porque reviver Frida hoje, Rose diz que “a importância de reviver essa história está na autenticidade da mulher à frente do nosso tempo. Frida é a desmedida das coisas, está fora dos padrões estabelecidos. Viver Frida é encarar a vida e a morte com a mesma grandeza.”

    Em cena, Rose Germano é acompanhada pelo músico Eduardo Torres, que toca violão e realejo.


    Dramaturgia: Luiz Antonio Rocha e Rose Germano 
    Encenação: Luiz Antonio Rocha
    Atuação: Rose Germano
    Músico: Eduardo Torres
    Foto: Renato Mangolin
     
    Duração: 60 minutos
    Classificação: 16 anos
    Gênero: Drama

    ATENÇÃO
    Não somos responsáveis por alterações na programação.
    Recomendamos que confirmem os eventos através dos links ou telefones divulgados.
    Apenas organizamos e compartilhamos a informação.


    • ARTE E CULTURA QUE PODEM TE INTERESSAR

      Monólogo “Para onde ir”
      Saiba Mais
      Cena Brasil Internacional
      Saiba Mais
      Brimas no Teatro Clara Nunes
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

CURTA O BAFAFÁ!

DIVULGAÇÃO










#AGENDABAFAFA