MAIS COISAS >> Opinião

  • Em defesa da Vida e da vacinação infantil, por Nísia Trindade

    Da Redação em 05 de Dezembro de 2022    Informar erro
    Em defesa da Vida e da vacinação infantil, por Nísia Trindade

    Muitas vezes venho a público me posicionar como presidente da Fiocruz, mas hoje é minha sensibilidade como avó de Bento, um esperto e querido menino de 6 anos de idade, que me motiva a escrever.
     
    Sou de uma geração que constatou o grande êxito dos programas de vacinação. Lembro dos colegas de turma vitimados pela poliomielite, com sequelas motoras irreversíveis, mas também de ter sido vacinada contra a pólio em 1963, na Escola Imaculada Conceição, no bairro do Flamengo, no Rio de Janeiro. Na mesma época constatei o terrível impacto do sarampo, quando a imunização ainda não estava disponível.
     
    Quase 50 anos após a criação no Brasil do bem-sucedido Programa Nacional de Imunizações pelo Ministério da Saúde, assisto com grande preocupação à perda acentuada das coberturas vacinais e à baixa vacinação contra a Covid-19 entre nossas crianças. É concreto o risco de retorno da poliomielite, como infelizmente já ocorreu com o sarampo, que precisa voltar a ser eliminado.
     
    A proteção contra doenças preveníveis por vacinas é uma grande conquista da ciência e da sociedade e, no caso da infância, um direito assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
     
    O atraso na vacinação infantil contra a Covid-19 é preocupante, uma vez que, até junho de 2022, o Brasil registrava uma média de duas mortes diárias pela doença entre crianças menores de 5 anos. É grave que tenhamos alcançado uma cobertura de apenas 35,6% de vacinação (com duas doses) na faixa de 5 a 11 anos.
     
    Da mesma forma, é fundamental a vacinação das crianças de 6 meses a 5 anos, independentemente da presença de comorbidades.
     
    Em relação a outras enfermidades, constatamos 616 óbitos por doenças imunopreveníveis entre crianças de 5 a 11 anos em 2021. Por essa razão, na Fiocruz, a partir da iniciativa do nosso Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), lançamos o programa Reconquista das Altas Coberturas Vacinais, que se soma a outras importantes ações, como o Vacina Mais, promovido por Conass, Conasems e Opas, entre outros.
     
    Entretanto, é a tentativa de sensibilizar os pais que ainda não vacinaram ou não atualizaram a vacinação de suas crianças a principal motivação deste artigo. Penso em outras avós de todas as regiões do país, com as mais diferentes ocupações e classes sociais, muitas vezes assumindo a responsabilidade pelo cuidado dos filhos de seus filhos e filhas.
     
    Em muitos casos, até mesmo pela vitória das gerações anteriores, levando a que as doenças imunopreveníveis pareçam ameaças do passado, há resistências em nossas famílias à vacinação, mas não podemos assistir de forma passiva à violação dos direitos de nossos netos. É fundamental assegurar a imunização a todas as crianças.
     
    Vacinas salvam vidas e o futuro de nosso país!
     
    Nísia Trindade é presidente da Fiocruz
     
    Nov 2022
     
    Foto: Divulgação


    • MAIS COISAS QUE PODEM TE INTERESSAR

      ​Pratinha, da nova geração do samba, corre atrás do voto como sucessor de Eliomar Coelho
      Saiba Mais
      É preciso resgatar a capacidade de investir do Estado, por Olímpio Alves dos Santos
      Saiba Mais
      Por que a urna eletrônica é segura, por Rodrigo Carneiro Munhoz Coimbra
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

DIVULGAÇÃO