TURISMO >> Bairros

  • Antigo Palácio da Justiça do Distrito Federal, uma construção neorrenascentista italiana no Centro do Rio

    Da Redação em 10 de Maio de 2021    Informar erro
    Local: Centro Cultural do Poder Judiciário
    ENDEREÇO: Rua Dom Manuel, 29 - Centro
    DETALHES: Fechado para visitas durante a pandemia, o local está funcionando como posto de vacinação contra a Covid-19
    Com obras que levaram quatro anos, o antigo Palácio da Justiça do Distrito Federal foi inaugurado em 1926. É resultado de um projeto de arquitetura eclética de inspiração neorrenascentista italiana, assinado pelos arquitetos Gabriel Fernandes e Fernando de Nereu Sampaio, e executado pelo engenheiro Leopoldo de Melo Cunha Filho.
     
    O salão histórico do Tribunal do Júri foi inspirado no estilo clássico francês dos séculos XVI e XVII e decorado por obras de Carlos Oswald, gravador, pintor, vitralista e autor do desenho final do Monumento ao Cristo Redentor.
     
    Com a instauração do Estado Novo, passou por reformas que incluíram a colocação de esculturas em mármore, lustres de bronze e painéis pictóricos, além de mobiliário novo.
     
    Antes de ser construído o palácio, o terreno abrigava um teatro e mesmo com o novo edifício o seu entorno era cercado de bares, pequenos comércios e barbearias, tudo demolido no início dos anos 40.
     
    No interior do palácio aconteceram eventos de grande repercussão, como a promulgação do Código Penal, em 7 de dezembro de 1940. O Tribunal de Justiça funcionou no prédio até a transferência da capital federal para Brasília, em 1960.
     
    Com a criação do estado da Guanabara no mesmo ano, passou a existir ali um tribunal de justiça estadual até 1974. Nesse ano, foi inaugurado o novo Palácio da Justiça, na Avenida Erasmo Braga.
     
    A fusão dos estados do Rio de Janeiro e da Guanabara, em 1975, fez surgir o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Mais recentemente, aconteceram no prédio do palácio pelo menos dois julgamentos de grande comoção popular: o de Paula Thomaz, do caso Daniella Perez, assassinada em 1992, e o dos envolvidos no caso Tim Lopes, em 2002.
     
    No primeiro pavimento do Palácio da Justiça ficam salas do Centro Cultural do Poder Judiciário. Em relação ao acervo, o destaque é a Sala de Figurinos, onde estão reunidos roupas e adereços de época. 
     
    No mesmo andar, a Sala Multiuso oferece 60 lugares para apresentações de concertos de câmara, por meio do programa Música no Palácio, fruto de uma parceria com a Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
     
    No segundo pavimento ficam o Salão dos Bustos e o Primeiro Tribunal do Júri. No terceiro, o Salão dos Espelhos, o Plenário do Tribunal, o Salão Nobre e o Museu da Justiça. 
     
    Suspensa desde o início da pandemia, a visita teatralizada era a grande atração desde janeiro de 2011. A proposta surgiu do desejo de abrir as portas do palácio à população, servindo como um polo de cultura e memória.
     
    Os anfitriões são personagens associados à Justiça, como Rui Barbosa, a deusa Têmis e os imperadores de Bizâncio, Justiniano e Teodora. Visitas abertas ao público aconteciam aos sábados, enquanto escolas e grupos nos dias de semana. 
     
    Fonte: Sandra Machado/Multirio
    Fotos: Centro Cultural do Poder Judiciário
     

    ATENÇÃO
    Não somos responsáveis por alterações na programação.
    Recomendamos que confirmem os eventos através dos links ou telefones divulgados.
    Apenas organizamos e compartilhamos a informação.




    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

    Banner Pets

CURTA O BAFAFÁ!

DIVULGAÇÃO









#AGENDABAFAFA