TURISMO >> Bairros

  • Bairro Humaitá era chamado de Itaóca pelos índios, confira a história e as fotos

    Da Redação em 27 de Abril de 2020    Informar erro
    Bairro Humaitá era chamado de Itaóca pelos índios, confira a história e as fotos

    Humaitá é um bairro de classe media alta que faz limite com Botafogo, na Zona Sul. Tem esse nome por homenagear os soldados que obtiveram êxito em ultrapassar a Fortaleza de Humaitá, na Guerra do Paraguai. Inicialmente o lugar era chamado pelos índios como Itaóca, devido a uma gruta existente na atual rua Icatu. Seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), em 2000, era de 0,959, o sétimo melhor da cidade do Rio de Janeiro.
     
    No início da ocupação, a área pertencia a Clemente José Martins de Matos, Vigário-Geral do bispado. O proprietário construiu uma capela em 1657 e depois um acesso à capela que seria dedicada a São Clemente. Atualmente o caminho corresponde à Rua São Clemente.
     
    No século XIX a região se destacava pela produção de peças de cerâmica. Em 1825, Joaquim Marques Batista de Leão, adquiriu a fazenda da olaria, loteando-a mais tarde. Seus herdeiros doaram diversas propriedades à Câmara em 1853. As outras fazendas e chácaras da região foram loteadas também surgindo ruas e o bairro.
     
    Em sua extensão, chama a atenção o prédio do Corpo de Bombeiros (de 1856), tombado pelo patrimônio.
     
    No ano de 1904, um grupo de adolescentes fundou, em um casarão situado no Largo dos Leões, o Electro Club, que dias depois tornaria-se Botafogo Football Club e, 38 anos depois, Botafogo de Futebol e Regatas.
     
    Já na década de 1960 houve a remoção da favela Macedo Sobrinho, sendo criado o Parque Natural Municipal da Saudade, além do alargamento da rua e do largo do Humaitá, estabelecendo uma melhor ligação com a Lagoa. O antigo terminal de bondes deu vez à Cobal do Humaitá, símbolo do bairro.
     
    O bairro atualmente encontra-se praticamente unificado ao Botafogo, pelo eixo representado pelas ruas Humaitá, São Clemente e Voluntários da Pátria.
     
    Possui um caráter residencial, sendo um dos poucos bairros da Zona Sul que ainda possui um grande número de casas tradicionais e antigas, algumas delas tombadas pelo patrimônio histórico.
     
    Pelo bairro passam diversas linhas de ônibus, algumas ligando a Zona Sul à Zona Norte. Não há estação de metrô, mas há uma das linhas do serviço Metrô na Superfície, extensão do metrô por ônibus, até a estação mais próxima, em Botafogo.
     
    A vida noturna no bairro tem aumentado consideravelmente nos últimos anos. Há vários bares, lojas de importados e restaurantes na Cobal do Humaitá, antiga garagem de bondes. A Rua Visconde de Caravelas também é reduto para a boemia. Bares tradicionais como Aurora e Plebeu, dividem a esquina com o Fuska Bar, um botequim que encanta jovens e tem música ao vivo na calçada quase todos os dias da semana.
     
    Destaque ainda para a Cobal do Humaitá, um ótimo complexo hortigranjeiro e gastronômico, a Casa da Espanha e o Espaço Cultural Sérgio Porto que inaugurou em 1983. E também o quase secreto Parque do Martelo mantido pela associação de moradores local.
     
    Fonte: Wikipedia-Multirio
    Fotos: Arquivo da cidade/Google Street


    • TURISMO QUE PODEM TE INTERESSAR

      Aterro do Flamengo, patrimônio cultural da humanidade, tem jardins de Burle Marx
      Saiba Mais
      Construção da Av. Atlântica começou em 1906 e mudou a cara de Copacabana
      Saiba Mais
      7 lugares quase secretos do Rio de Janeiro que surpreendem
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Comentário do post Schmidt:
        Gostei muito das informações sobre o Humaitá.


DIVULGAÇÃO