TURISMO >> Histórias do Rio

  • Baixo Gávea, um lugar que moldou a alma noturna do Rio de Janeiro

    Da Redação em 16 de Novembro de 2023    Informar erro
    Baixo Gávea, um lugar que moldou a alma noturna do Rio de Janeiro

    Lacerda era o garçom mais emblemático do Bar Hipódromo que fechou em 2020. Foto: Simone Marinho


    Se existe lugar emblemático na história da boemia do Rio de Janeiro, esse lugar é o Baixo Gávea. O trecho entre a Rua Marquês de São Vicente com a Rua dos Oitis, despontou no início da década de 80 quando artistas da TV Globo batiam ponto depois do trabalho no bar Sagres.
     
    Era um pequeno estabelecimento que foi crescendo a medida que aumentava a frequência do local, mas que caiu em desgraça nos anos 90 com o assassinato de um jovem por um segurança da casa.
     
    Nos anos 90 abriu também o Braseiro da Gávea, outro querindo do BG. O lugar até hoje tem fila na porta com direito a chopinho e linguicinha cortada na espera.
     
    O Bar Hipódromo marcou várias gerações e durou 75 anos. Era um dos melhores pontos de paquera da cidade e segundo os frequentadores "experts" os melhores dias para frequentar era de segunda a quinta. O primeiro dia da semana era tão disputado que era chamado de "Segunda sem Lei".
     
    O local foi palco até de filmes como o homônimo Baixo Gávea, do diretor Haroldo Marinho Barbosa. Contava a história de uma jovem diretora de teatro (Lucelia Santos) que divide seu tempo entre as tardes no teatro, em que dirige uma peça sobre Fernando Pessoa, e as noites na Gávea.onde busca resolver seus angustiantes problemas afetivos.
     
    No entanto, como muitos lugares emblemáticos, o Baixo Gávea enfrentou desafios ao longo do tempo. O lugar sofreu perseguição do ex-prefeito Cesar Maia que determinou horário de fechamento a partir das 01h. A medida quase matou o BG, mas ele sobreviveu, ao contrário do seu homônimo, "Baixo Leblon", outro ponto marcante, mas que perdeu grande parte do público no final dos anos 90.
     
    Em julho de 2020, em plena pandemia, o bar hipódromo acabou vendido para uma cervejaria deixando centenas de clientes órfãos, principalmente os que eram atendidos pelos garçons Lacerda e Boi, duas lendas do BG, como é conhecido até hoje o trecho de acesso à Praça Santos Dumont.
     
    Morre o mito, fica a lenda. O Bar Hipódromo é uma referência que será lembrado ainda por algumas gerações até cair no esquecimento dos vivos e ficar registrados apenas nos livros e artigos.
     
    Hoje o público do Baixo Gávea hoje está na faixa de 30 e 50 anos. Vale demais conferir e apreciar um espaço com tanta história no Rio de Janeiro.


    • TURISMO QUE PODEM TE INTERESSAR

      Antiga colônia de férias da Mesbla à venda na Praia das Gaivotas em Paquetá
      Saiba Mais
      Sarah Bernhardt, a atriz que conquistou o mundo e viveu um drama no Rio de Janeiro
      Saiba Mais
      Presidente Vargas, um edifício emblemático na Praça São Salvador
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

DIVULGAÇÃO