TURISMO >> Histórias do Rio

  • Como os ingleses mudaram o Rio de Janeiro no século XIX

    Da Redação em 06 de Fevereiro de 2022    Informar erro
    Como os ingleses mudaram o Rio de Janeiro no século XIX

    O comércio teve forte influência inglesa no século XIX


    Que o carioca tem grande influência portuguesa todo mundo sabe. Muitos desconhecem que, com a abertura dos portos em 1808, aconteceu uma invasão comercial inglesa que mudou os hábitos dos moradores do Rio. Em apenas quatro anos, já havia 75 estabelecimentos de ingleses contra 207 dos portugueses.
     
    O Rio de Janeiro virou também o sonho de consumo tropical de aventureiros e comerciantes escoceses, irlandeses e galeses. O Brasil era um mercado quase virgem para negócios e rapidamente se transformou no terceiro maior mercado externo da Inglaterra.
     
    Não foi a toa que os ingleses escoltaram com 13 navios a corte portuguesa que fugia de Napoleão. A abertura dos portos acabou sendo um prêmio para a Grã-Bretanha. 
     
    Com o mercado aberto chegavam navios carregados de mercadorias que eram vendidas em lojas e leilões: roupas, lençois, tecidos em geral, chapéus, meias, sapatos, lenços, louças, talheres, relógios, ferramentas, tintas, móveis, vidros, binóculos e muitos outros itens do dia a dia. 
     
    E ainda trouxeram a energia elétrica, os telegráfos, bondes, estradas de ferro, serviço de água e esgoto, fábricas de tecidos, o hábito de tomar banho e se barbear diariamente, o piano, o chá, o pão de trigo, o sanduíche, a batata inglesa e o bife com batata, além da cerveja e o whisky, num mercado até então dominado pelos vinhos portugueses. E, claro, o chá das cinco. 
     
    Até mesmo as tradicionais venezianas de madeira deram vez a janelas de vidros.  
     
    Os ingleses tiveram ainda interferência direta na língua portuguesa ao adotarmos verbos como “chutar”, “driblar”, “blefar”, “boicotar”, “boxear” e termos como “gol”, “craque”, “truque”, “pedigree”, “pudim”, “recorde” e até o “alô” telefônico.
     
    E ainda nomes como Charles, Daniel, Max, Samuel, Thomas, Benjamin, Wilson, Sofia, Isabel, Jéssica, Alice, Rose e Martha.
     
    E sem esquecer do futebol, trazido para o Brasil por Charles Miller, filho de escocês e neto de ingleses. Ele fundou em 1901, a primeira entidade brasileira desse esporte, a Liga Paulista de Futebol.
     
    Saber falar inglês ou francês nessa época era demonstração de prestígio. O sociólogo Gilberto Freyre dizia que enquanto o Brasil era maciçamente anglicizado, os ingleses também se abrasileiravam.
     
    Essa dominação inglesa, que abrangeu também a cultura, a literatura e o teatro, durou até a metade do século XX quando o Brasil começou a de industrializar e a fabricar seus próprios produtos e a se aproximar mais da cultura americana. 
     
    Fonte: Multirio
     


    • TURISMO QUE PODEM TE INTERESSAR

      Bar Veloso abriu as portas em 1945 e virou ícone da boemia carioca
      Saiba Mais
      Teatro Alcazar Lyrique, a coqueluche do Rio no século XIX
      Saiba Mais
      Engov, remédio contra a ressaca, foi inventado pelo cientista Albert Sabin que doou a fórmula a um brasileiro
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Comentário do post Schmidt:
        Adorei conhecer essa "interferência" positiva em nossa cultura.

      • Comentário do post Maria do Rosário Reis Simões:
        Nao concordo em dizer q aprendemos o habito de tomar banho todos os dias com os ingleses.isso sao habitos dos indigenas americanos.

      • Comentário do post Eugênio:
        Por conta de.políticos sem escrúpulos e a serviço dos Estados Unidos, até agora não temos identidade.


DIVULGAÇÃO