TURISMO >> Histórias do Rio

  • Jackson Five fez dois shows no Maracanãzinho em 1974, Michael Jackson tinha 16 anos

    Da Redação em 08 de Março de 2024    Informar erro
    Jackson Five fez dois shows no Maracanãzinho em 1974, Michael Jackson tinha 16 anos

    Michael Jackson após o desembarque do grupo Jackson Five no Aeroporto do Galeão, Rio de Janeiro, em 16 de setembro de 1974 | Foto de arquivo / Reuters


    O cantor Michael Jackson esteve no Brasil com o grupo Jackson Five para fazer shows em São Paulo, Rio, Porto Alegre, Belo Horizonte e Brasília, em setembro de 1974. O artista que iria despontar para uma brilhante carreira solo com o disco "Off the wall", em 1979, gostou de tudo que viu à época na capital carioca.
     
    O americano tinha apenas 16 anos, mas já era o rosto mais conhecido do conjunto formado por ele e por seus irmãos Jackie, Tito, Jermaine, Marlon e Randy. No Rio, o sexteto fez dois shows no Maracanãzinho, dias 19 e 20 de setembro, ambos com abertura da tradicional escola de samba Portela. 

    De acordo com uma reportagem do GLOBO na época, o sexteto chegou ao Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio, às 12h45 do dia 16 de setembro, uma segunda-feira.
     
    Com semblantes sempre sérios, eles estavam com uma comitiva de mais de 30 pessoas, que incluía tias dos músicos e até uma babá. Por coincidência, os americanos cruzaram com o cantor Roberto Carlos, que estava a caminho de São Paulo. O capixaba já era uma estrela da música nacional, mas, segundo o jornal do dia 17 de setembro de 1974, passou "inteiramente despercebido" pelo terminal aéreo na Ilha do Governador. 
     
    A banda deveria ter ido para Itacuruçá, na Costa Verde, onde ficaria hospedada até o dia do show. Mas os músicos abriram mão da tranquilidade porque queriam circular pelo Rio.
     
    No dia seguinte à chegada, os integrantes do Jackson 5 deram uma coletiva de imprensa no Hotel Nacional, em São Conrado. Segundo o jornal, todos eles usando roupas coloridas e ostentando belas "cabeleiras black power".
     
    O grupo não quis abordar questões ligadas ao advento do movimento negro americano, mas Michael, justamente o mais falante do sexteto, discorreu um pouco sobre o trabalho do conjunto.
     
    - O estilo da nossa música evoluiu junto com o gosto do público a que se dirige. Cantamos o que ele quer ouvir, e hoje nossos maiores sucessos são canções que apresentávamos há cinco anos. Só que agora fazemos isso de uma maneira elaborada - disse o então adolescente, que viria a se tornar o maior ícone da música pop. - Não existe outro conjunto com nosso estilo. Somos o primeiro grupo jovem que surgiu cantando. Hoje existem outros, influenciados por nós, mas ainda assim nossa interpretação é diferente.
     
    De música brasileira, eles disseram que conheciam apenas o trabalho de Sérgio Mendes, que era vizinho do sexteto em Los Angeles, nos Estados Unidos. Ao final da entrevista, em tom mais descontraído, o caçula Randy, de 12 anos, disse ter gostado de ver tanta gente vestindo roupas coloridas no Rio. Jermaine "mostrou-se impressionado com a quantidade de Volkswagens nas ruas". 
     
    Fonte: O Globo/Acervo


    • TURISMO QUE PODEM TE INTERESSAR

      A origem inusitada do nome Monsieur Pujol, restaurante que marcou época em Ipanema nos anos 70
      Saiba Mais
      Sammy Davis Jr. encantou o Rio de Janeiro numa apresentação histórica em 1960
      Saiba Mais
      Inaugurado em 1872, Canal Campos-Macaé é o segundo canal artificial mais longo do mundo
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

DIVULGAÇÃO