TURISMO >> Histórias do Rio

  • O dia que o Rio de Janeiro parou em 1930 para ver o Zeppelin passar

    Da Redação em 13 de Dezembro de 2020    Informar erro
    Um acontecimento que literalmente parou o Rio de Janeiro, no dia 24 de maio de 1930. Assim foi a passagem do Zeppelin pelo céu da cidade. Proveniente da Alemanhã, o dirigível pesava 10 toneladas, era movido a hidrogênio e usava tripas de animais para evitar que o gás escapasse.
     
    Até o Brasil foram três dias e meio de viagem. De navio, o mesmo percurso levava 10 dias. Como curiosidade, atualmente um voo entre a Alemanha e o Rio de Janeiro dura 11 horas. O gigante sobrevoou os bairros da Zona Sul até Santa Cruz, onde um hangar foi especialmente construído para ele.
     
    O hangar onde o dirigível ficou guardado ainda existe. Atualmente, o galpão é utilizado como Museu da Aeronáutica.
     
    O Zeppelin era um luxo com padrão primeira classe. Ele tinha 10 cabines duplas, lavabos, banheiros, restaurante, cozinha e o serviço usava louça de luxo. Pelo Brasil, o Zeppelin transportou brasileiros ilustres como o presidente Getúlio Vargas e Heitor Villa-Lobos.
     
    Em uma crônica de Manuel Bandeira, publicada no Diário Nacional, o fato foi apontado como um acontecimento empolgante. "Um espetáculo perturbantemente inédito", assinalava o escritor.
     
    O Zeppelin chegou a ter voos regulares para o Brasil. O dirigível rígido foi inventado pelo conde alemão Ferdinand Adolf Heinrich August Graf von Zeppelin (Constança, 8 de julho de 1838 — Berlim, 8 de março de 1917), e fabricado pela Luftschiffbau-Zeppelin GmbH.
     
    Sete anos depois de voar pelo Rio, um dirigível similar explodiu nos EUA matando 36 pessoas e levando ao cancelamento do transporte.
     
    Fonte: Wikipedia/O Globo


    • TURISMO QUE PODEM TE INTERESSAR

      Botafogo teve barcos a vapor ligando o Centro a partir de 1843
      Saiba Mais
      Reservatório do Cantagalo em Copacabana, construído na rocha em 1930, tem capacidade para 8 milhões de litros de água
      Saiba Mais
      Castelinho, uma história de várias décadas em Ipanema
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Comentário do post Andressa Lobo:
        O Hangar atualmente não é utilizado como Museu da Aeronáutica. Há uma sala Histórica (ainda não em funcionamento) em anexo, mas o Hangar ainda está atuando em operações militares de manutenção de aeronaves.


DIVULGAÇÃO