ARTE E CULTURA >> Dança

  • Solo da Cana marca a estreia da bailarina Izabel Stewart como atriz e dramaturga, sob direção do coreógrafo João Saldanha

    Da Redação em 20 de Novembro de 2023    Informar erro
    Solo da Cana marca a estreia da bailarina Izabel Stewart como atriz e dramaturga, sob direção do coreógrafo João Saldanha

    Foto: Carol Pires

    Local: Sede das Cias
    ENDEREÇO: Escadaria Selaron, Rua Manuel Carneiro, 12, Sta. Teresa.
    CONTATO: 21 2242-4176
    DATA : 22/11/2023 HORA : 20h VALOR : R$60 / R$30
    DATA : 23/11/2023 HORA : 20h VALOR : R$60 / R$30
    LINK: Clique aqui e visite o site
    A bailarina Izabel de Barros Stewart lança-se como atriz e dramaturga em solo no qual reflete sobre a relação do homem com o Planeta – e com o próprio homem. 
     
    A cana de açúcar foi (?) uma das principais commodities do Brasil. Entre 1530 e 1700, encheu os cofres da Coroa Portuguesa. Vários séculos depois, a cana de açúcar ainda é um forte pilar para o agronegócio brasileiro. Ela injeta aproximadamente R$ 60 bilhões na economia, segundo dados da União das Indústrias de Cana de Açúcar (Única).
     
    Izabel de Barros Stewart é uma artista brasileira, sensível e atenta às transformações ocorridas no mundo – e em especial no Brasil. O mundo passou de analógico a cibernético, e a relação da sociedade com o Meio Ambiente (e com o próprio ser humano) mostra que algo vai mal. Suas visões do mundo contemporâneo foram colocadas no papel e chegam agora ao palco.
     
    Com direção do coreógrafo João Saldanha, o Solo da cana volta ao Rio de Janeiro, onde estreou, para apresentações, dias 22 e 23 de novembro na Sede das Cias.
     
    A voz central do espetáculo é a da cana de açúcar. Poderia ser a da soja ou a do milho, mas a escolha revelou-se mais que acertada; assertiva. O vegetal foi e ainda é uma das principais commodities do país. Bailarina com longos anos dedicados à dança, ela começou a colocar no papel seus questionamentos sobre uma sociedade que vem se deteriorando e parece que nada aprendeu com a pandemia. As palavras foram levadas ao coreógrafo e diretor João Saldanha, a quem Izabel tem parte de sua trajetória ligada.
     
    Os dois começaram uma investigação que culmina agora no primeiro espetáculo de Izabel como atriz e dramaturga. A eles junta-se o músico Antonio Saraiva, que acrescenta à cena climas e intervenções sonoras, o figurinista Mauro Leite e as produtoras Ana Paula Abreu e Renata Blasi, da Diálogo da Arte Produções.
     
    Outras palavras nasceram, e o corpo e a voz da artista foram ganhando novas matizes. Da bailarina surge a dramaturga e, a partir desta a atriz – ou performer, como queiram. “Eu to aqui pelo que me encandeia a pele”, diz ela num trecho do solo. E desse encantamento nascem outras vozes entre humanas, animais e poéticas.
     
    Todas elas refletem (também no sentido de espelhar) a forma como vivemos pautados por valores impostos por segmentos como o mercado financeiro, a economia, os avanços tecnológicos, a urgência e a superficialidade das relações humanas. Sim, pois Izabel acaba por falar também de relações, que precisam ser transformadas, e de afeto, a partir do qual elas se estabelecem.
     
    O palco está praticamente vazio. Em cena, um pequeno banco, levado pela atriz pelo espaço cênico, e uma garrafa. A união entre texto, direção e demais colaborações ocupa o todo com forte carga imagética. Izabel de Barros Stewart não está sozinha em cena.  Não mesmo.
    Sobre a bailarina e atriz:
     
    Izabel de Barros Stewart é dançarina, performer, preparadora corporal, professora e, desde 2003, mestra em Dança pela Universidade Paris 8. Iniciou sua trajetória na dança nos anos 1990, integrando o Atelier de Coreografia, sob a batuta de João Saldanha. Trabalhou, na década seguinte, como bailarina e assistente de direção de Dudude Hermann, na Cia Benvinda de Dança,  e como professora no Departamento de Artes Cênicas na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), em Minas Gerais.
    Texto, atuação e idealização Izabel de Barros Stewart
    Direção João Saldanha
    Artista sonoro Antonio Saraiva
    Preparação Vocal Pedro Lima
    Figurinos e adereços Mauro Leite
    Iluminação João Saldanha
    Assistente de iluminação Vitor Emanuel
    Artista Visual Roberto Unterladstaetter
    Assessoria de Imprensa Christovam de Chevalier
    Gestão e Conteúdo das Mídias Sociais Top na Mídia Comunicação
    Fotografia Arte e Divulgação Carol Pires
    Coordenação Administrativo-Financeira Grupo Saúva
    Assistente de Produção Flavio Moraes
    Direção de Produção Ana Paula Abreu e Renata Blasi
    Produção Diálogo da Arte Produções Culturais
    Realização Grupo Saúva
     
    Vendas no local, uma hora antes da sessão, ou pelo sympla
    Classificação indicativa: 10 anos
     

    ATENÇÃO
    Não somos responsáveis por alterações na programação.
    Recomendamos que confirmem os eventos através dos links ou telefones divulgados.
    Apenas organizamos e compartilhamos a informação.


    • ARTE E CULTURA QUE PODEM TE INTERESSAR

      Cia equatoriana de dança TALVEZ apresenta espetáculo, performance e oficina com entrada gratuita
      Saiba Mais
      “Um coração de Van Gogh” estreia dia 29 de julho na Casa de Cultura Laura Alvim
      Saiba Mais
      20ª edição do Dança em Foco, Festival Internacional de Vídeo & Dança, no Centro Coreográfico
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

DIVULGAÇÃO