ARTE E CULTURA >> Evento

  • Metaverse Agency com criptoartistas no Rio Innovation Week

    Da Redação em 07 de Janeiro de 2022    Informar erro
    Metaverse Agency com criptoartistas no Rio Innovation Week

    Obra: @suzeteventurelli

    Local: Jockey Club Brasileiro
    ENDEREÇO: Praça Santos Dumont, 31- Gávea
    LINK: Clique aqui e visite o site
    Entre 13 e 16 de janeiro, o Jockey Club Brasileiro recebe a primeira edição do Rio Innovation Week. O evento, que será o maior e mais completo da América Latina, vai reunir mais de 500 palestrantes, 1.000 startups e 190 expositores, trazendo discussões e exposições relacionadas à inovação e tecnologia. Os participantes poderão aproveitar 19 palcos segmentados nas categorias turismo, varejo, saúde e profissões, startups, agronegócios, sustentabilidade e marketing.
     
    A Metaverse Agency, de Byron Mendes, estará presente com mais de 12 artistas, apresentando suas obras através de criptoartes. Com apenas um ano de existência, a Metaverse foi responsável pelo primeiro espaço de criptoarte na 11ª edição da ArtRio, além do case de lançamento da artista Monica Rizzolli na Artblocks, onde sua obra “Fragmentos de um Campo Infinito” foi arrecadada por cerca de R$ 30 milhões em 32 minutos.
     
    Já fez o lançamento das NFTs de medalhistas brasileiros que participaram nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020; promoveu a colab entre o consagrado Carlos Vergara e o artista Alexandre Rangel; participou da Hamptons Fine Art Fair 2021, em Southampton/Nova York; produziu a instalação de Rejane Cantoni no CCBB/RJ, além de lançar obras de seus agenciados nas plataformas Makersplace, Tropix, Portions, Binance, Artblocks, Miintme, 9Blocks, entre outras.
     
    Agora, no Rio Innovation Week, o objetivo é surpreender e trazer novas experiências ao público. Para Byron Mendes, CEO da Metaverse Agency, “Será uma oportunidade ao público interagir, conhecer e vivenciar possibilidades híbridas e novos suportes artísticos. As obras trazem experiências multissensoriais, inclusive com o uso de realidade aumentada, onde trazemos a experiência física em convergência com o universo digital, através da criptoarte e dos metaversos”, afirma Mendes.
     
    Durante o Rio Innovation Week, a Metaverse Agency em parceria com a Dellarte Soluções Culturais, vai lançar o marketplace de criptoarte, Dellarte NFT e o projeto Metamundi (empresa focada na ativação de metaversos) além de apresentar uma das primeiras performances musicais no Brasil dentro de um metaverso baseado na blockchain.
     
    Os artistas da Metaverse apresentam conceitos sólidos em suas artes, e buscam provocar reflexões sobre a tecnologia, como a vida tem mudado muito em pouco tempo e sobre as consequências dessa nova realidade.
     
    ARTISTAS ESPAÇO METAVERSE AGENCY
     
    Rejane Cantoni
    A criadora da primeira instalação em NFT brasileira é referência internacional em arte e tecnologia, e levará um jardim sensorial para a exposição; o projeto FLORAS convida o público a experimentar e refletir sobre criptoarte, tecnologia blockchain e natureza, com uma paisagem audiovisual em constante transformação.
     
    Alexandre Rangel
    Com projetos de vídeo arte, o artista brasileiro multimídia desenvolve softwares para projetos audiovisuais desde os anos 90. Para a exposição, Alexandre apresenta "Contos de um Futuro Antigo", trazendo a questão de “Como veremos a nossa visão atual de futuro, no futuro”?
     
    Alexandre Murucci
    Escultor, cenógrafo premiado e diretor de arte, Alexandre traz "Foundation", que fala da revolução da arte digital a partir da obra do artista Beeple, seu maior fenômeno de mercado, e como isto quebrou paradigmas e a visão do mercado de arte, para este novo suporte de criação artística - os NFTs. O trabalho brinca com a fonética do nome do artista, relacionando-o com a carta de fundação do país mais poderoso do mundo, propondo similaridades simbólicas e epistemológicas.
     
    Beto Gatti
    O artista mistura pintura com fotografia e traz para o mundo de criptoarte, sempre com algumas reflexões sobre a sociedade atual. Para a mostra, Gatti apresenta “A Origem”, que fala sobre o quanto é importante estarmos conectados ao mundo virtual e, ao mesmo tempo, o quanto isso prejudica. As artes também trazem referências ao egoísmo e como o homem está tão focado em suas próprias necessidades, buscando atenção e sucesso a todo custo.
     
    Anaisa Franco
    A mestre em arte digital e tecnologia, sintetiza alguns conceitos de biofilia, ciência cognitiva e psicologia em suas artes; Para a RIW, ela traz o projeto “Mutation”, na qual a artista usou como referência as próprias mutações da Covid-19 para criar objetos paramétricos exclusivos, que são transformados em NFTs e impressos em 3D. As obras pretendem auxiliar na compra de vacinas e distribuição para países que necessitam.
     
    Suzete Venturelli
    A professora, artista e pesquisadora em arte e design computacional, expõe a obra de arte generativa “Desflorestamento Zero”, que foi iniciada em 2013, e tem como referência as campanhas de proteção ambiental da organização ativista Greenpeace. Suzete busca propor confrontos criativos, com temas que destacam os problemas ambientais atuais, para levar o espectador a colaborar com soluções para um futuro mais verde e pacífico, através da arte, do design e da tecnologia. Ela apresenta uma nova versão para esta exposição, e a interação ocorre por meio da tecnologia de Realidade Aumenta.
     
    Fabio Ema
    O primeiro grafiteiro brasileiro a lançar obras de criptoarte, apresenta o Oráculo do Tempo, sua primeira coleção de NFTs e telas. As obras que compõem a exposição foram criadas em Nova York, utilizando técnicas mistas de pintura sobre telas com tinta acrílica e spray, adaptando peças de madeira e engrenagens pintadas para envelhecer a escultura, e para finalizar, as imagens são editadas em programas de arte. As peças são únicas, e todas são escaneadas para animação e transformação em NFTs.
     
    Ricardo Bellino e Hans Donner
    A Colab do empreendedor e artista Ricardo Bellino e do artista gráfico Hans Donner, exibe o rosto de celebridades em cápsulas de café da Nespresso. “Pixtures of Time” utiliza da op art, que traz não só os mosaicos e a arte em si, mas também uma experiência completamente única. Juntos, os artistas apresentam verdadeiras “time capsules”, que pretendem surpreender e provocar, com a possibilidade de “comprar ou vender o tempo”.
     
    Clelio de Paula
    Clelio de Paula é um artista visual que usa programas de computadores para criar, gerar e consumir experiências que são em sua maioria interativas. Em “Back to Xingu”, o artistas usa uma série de imagens e animações com a técnica de nuvem de pontos realizada a partir de escaneamentos tridimensionais de pessoas, espaços e objetos criados durante as duas residencias artísticas que o autor teve a oportunidade de participar a convite da Aldeia Ipatse entre 2017 e 2018, no Alto Xingu.
     
    Xico Chaves
    Xico é um desses casos raros de artista que se mantém na vanguarda há mais de quatro décadas. Ele trabalha de maneira lúcida e engajada diversas linguagens - pintura, criação de objetos, instalações, performances, intervenções, fotografia, vídeo e poesia, música etc. Sua “Órbita Poética” 2011-2021 reúne imagens e sonoridades marcantes na trajetória de Xico, desta vez em versão NFT, possibilitando ao visitante a imersão em um caleidoscópio virtual sem começo nem fim.
     
    Pedro Scooby
    O gesto preciso do surfista Pedro Scooby é captado numa onda gigante no dia 12 de dezembro de 2021, o que valeu o prêmio de Destaque no Nazaré Town Surfing Challenge, sendo considerado ainda o maior tubo já surfado em competições. No formato de linha, o movimento de Scooby é registrado em frações de segundo, permitindo colher uma “assinatura” exclusiva sua e transformar a manobra genial, sobre a manipulação gráfica da imagem captada feita pelos artistas visuais Marcelo Pereira e André Weller, em arte neste NFT.
     
    Andrey Guaianã Zignnatto
    Autodidata, professor de artes visuais e ativista de projetos sociais apresenta as obras “Xe Rapó” (Minha Raiz) com trechos em vídeo com registro de uma ação onde o Zignnatto usa os pés e as mãos para amassar o tijolo contra o solo dentro do buraco até que o tijolo fique totalmente desfigurado. Os gestos são realizados com o artista usando pulseiras e tornozeleiras de semente produzidas por indígenas; “Antropofágico”, imagem de uma escultura formada por um tijolo baiano de 9 furos  e “Assy” (Dor), um gif com a imagem do monumento em homenagem ao bandeirante Anhanguera.
     
    Avatar holográfico de Paula Klien
    O avatar é feito com quatro displays holográficos que se juntam em tamanho real e acompanha os movimentos do rosto da artista Paula Klien, onde ela explicará sobre token, metaversos, blockchain, etc.
     
    Mais informações em: www.metaverseagency.art


    • ARTE E CULTURA QUE PODEM TE INTERESSAR

      Busão: arte contemporânea e ciência para uma experiência inovadora nas ruas do Rio
      Saiba Mais
      Prix Photo Aliança Francesa: 1º lugar vai ganhar viagem à Paris
      Saiba Mais
      Fábricas de Cultura promovem atividades focadas na mulher negra empreendedora
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

DIVULGAÇÃO