ARTE E CULTURA >> Teatro

  • Peça “Grande Dionisíaca Experiência” será encenada de madrugada na Fundição Progresso

    Da Redação em 01 de Julho de 2024    Informar erro
    Peça “Grande Dionisíaca Experiência” será encenada de madrugada na Fundição Progresso
    Local: Fundição Progresso
    ENDEREÇO: Rua dos Arcos, 24 - Lapa
    DATA : 07/07/2024
    DATA : 10/07/2024
    DATA : 14/07/2024
    DATA : 19/07/2024
    DATA : 20/07/2024
    DETALHES: Horário: 23h30
    Com idealização e direção de Jopa Moraes e atuação de Vitor Schei, “Grande Dionisíaca Experiência”, terceira criação do coletivo Anêmona Teatro, abre seu experimento ao público no dia 7 de julho, domingo, no Espaço Armazém, na Fundição Progresso. 
     
    Dando continuidade às provocações do coletivo acerca das convenções e da história do teatro ocidental que buscam tensionar o evento teatral até sua ruptura, neste novo espetáculo, a inversão é a regra. No lugar de poltronas dispostas em uma plateia, cadeiras espalhadas pelo palco; ao invés de um elenco capacitado e com o texto decorado, o público é convocado à cena com folhas de papel na mão. Tudo isso começando quando os teatros da cidade já estão fechados, em uma arriscada jornada até o nascer do sol.
     
    O pano de fundo desse encontro são as Grandes Dionisíacas, os lendários festivais de teatro dos antigos gregos. No espetáculo, um ator se junta com um público de até 50 pessoas para tentar reviver a experiência do teatro em seu surgimento e apogeu, o momento em que a importância dessa arte para a comunidade era tanta que sua realização acontecia — mesmo no meio de guerras e durante a fome — como um rito essencial para compreender o mundo entre seus pares.
     
    Esse ator, armado apenas com um teclado de baixa qualidade e uns textos pelos quais é apaixonado, conduz os espectadores como membros de um coro. E, a cada apresentação, requer que um conjunto diferente de pessoas se desdobre em diversos papéis. Um mergulho rumo ao inesperado.
     
    A estrutura do espetáculo, em pouco mais de cinco horas, percorre as diferentes etapas desse festival que durava vários dias. Passando por ditirambos (espécie de canto ritualístico), comédias, tragédias, peças satíricas, e se estendendo até a ressaca dos vencedores (já que se tratava de um evento competitivo).
     
    Alguns textos ancoram o experimento. Os dois maiores se encontram nas extremidades da estrutura: “As Rãs”, do cômico Aristófanes, e “O Banquete”, de Platão. Neles, o único ator do espetáculo toma para si os personagens de Dionísio (no primeiro texto) e Diotima (no segundo). Figuras que guiam, abridores de caminhos, desbravadores de suas respectivas jornadas — o deus Dionísio rumo ao Hades para resgatar o teatro que havia morrido; a sábia Diotima para fora da caverna, desfazendo ilusões numa espécie de teatro invertido, que busca a verdade para além da representação.
     
    Começando despojadamente, quase como um ensaio, utilizando somente a luz de serviço do espaço, e progredindo para uma experiência completa, com figurinos, microfones e efeitos de luz, “Grande Dionisíaca Experiência” vai gradativamente se transformando em um espetáculo teatral total. A ideia é que essa viagem ao passado e a uma das origens do teatro seja vivenciada tanto como jornada dramática, quanto como processo criativo.
     
    Por isso, os elementos da representação vão sendo descobertos paulatinamente, “conquistados” pelos participantes. Ao longo da madrugada, a experiência passa cada vez mais para as mãos do público, que vai deixando de lado seu caráter de observador e tomando seu lugar no primeiro plano, contracenando primeiro com o ator que conduz, até chegar ao ponto de contracenar entre si, sendo conduzidos também a criar com som, movimento e pensamento.
     
    A chave desse convite à interação não é, no entanto, o desbunde. É a timidez, o constrangimento mesmo que existe no ato criativo, que caracteriza o gesto fundamental do espetáculo. Para que seja possível sentir a sensação tão bem descrita pelo cantor e compositor Bob Dylan quando diz: “eu morro de medo de estar no palco, mas, por outro lado, é o único lugar em que eu sou feliz”.
     
     
    GRANDE DIONISÍACA EXPERIÊNCIA
    Direção e Idealização: Jopa Moraes
    Atuação: Vitor Schei
    Roteiro* e Textos Originais: Jopa Moraes
    Figurinos: Dimi Rumbelsperger
    Iluminação e Espaço Cênico: Jopa Moraes
    Direção Musical: Gustavo Gomes
    Vídeos e Design Gráfico: Rafael Nasária
    Equipe Cobaia: Nayane Ficher e Dimi Rumbelsperger
    Letras Canções: Gustavo Gomes e Jopa Moraes
    Assistência de Direção: Nayane Ficher
    Confecção de Bonecos: Aristodemo Apolodoro e Nayane Ficher
    Produção de Logística: Patrícia Selonk
    Apoio: Armazém Companhia de Teatro e Fundição Progresso
    Produção: Anênoma Teatro
     
    *a partir de trechos de Aristófanes, Sapho, Ésquilo, Sófocles, Eurípides, Ágaton e Platão
     
    Temporada: 07, 10, 14 19 e 20 de julho, às 23h30
    Duração Aproximada: 330 minutos
    Espaço Armazém — Fundição Progresso

    ATENÇÃO
    Não somos responsáveis por alterações na programação.
    Recomendamos que confirmem os eventos através dos links ou telefones divulgados.
    Apenas organizamos e compartilhamos a informação.


    • ARTE E CULTURA QUE PODEM TE INTERESSAR

      O divertido espetáculo “Stranger Sings – Uma Paródia Musical” volta ao cartaz no Teatro Clara Nunes
      Saiba Mais
      O Inspetor Geral de Nikolai Gogol em curta temporada na Cia de Teatro Contemporâneo
      Saiba Mais
      Sancho Pança, O Fiel Escudeiro é uma divertida adaptação da obra de Cervantes com o Palhaço Piruá
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

DIVULGAÇÃO