TURISMO >> Histórias do Rio

  • Colonização alemã em Petrópolis, em 1845, reuniu 2.338 pessoas vindas em 13 navios

    Da Redação em 26 de Fevereiro de 2021    Informar erro
    A fundação da cidade de Petrópolis está intimamente ligada ao Imperador D. Pedro I. Desde que ele pernoitou na fazenda do padre Correa, em 1822, de passagem pelo Caminho do Ouro que o levaria às Minas Gerais, ficou encantado com a exuberância e amenidade do clima.
     
    Foi seu desejo, então, adquirir a propriedade para seu uso e, em especial, para o tratamento de sua filha, Princesa Dona Paula Mariana, de cinco anos, sempre muito doente e que se recuperou bem quando lá esteve.
     
    No dia 16 de março de 1843, o seu sucessor, o Imperador Dom Pedro II, que estava com 18 anos e recém-casado com Da. Teresa Cristina, assinou o Decreto Imperial nº 155, que arrendava as terras da fazenda do Córrego Seco ao Major Koeler para a fundação da “Povoação-Palácio de Petrópolis”, a primeira cidade planejada do país.
     
    Para povoar a região, decidiu-se chamar colonos alemãs que encontravam condições precárias de vida em seu país. A experiência já tinha dado certo anos antes, em 1837, quando chegou a primeira leva para trabalhar na abertura da Estrada Normal da Estrela. 
     
    Salvo os que viviam da vinicultura, uma parte da população que, movida pela esperança de vida melhor, deixou tudo e partiu para as Américas. A maioria dos colonos que chegou a Petrópolis era natural de aldeias localizadas nos bispados de Treves e Mogúncia, na Renânia e Westphália, (Grão-Ducado de Hesse-Darmstadt e no Ducado de Nassau), região atualmente conhecida pelo nome de Hunsrück, localizada na confluência dos rios Reno e Mosel. 

    Em 1837, aportou no Rio de Janeiro o navio Justine com 238 imigrantes alemães em viagem para a Austrália. Devido aos maus tratos sofridos a bordo, eles resolveram não seguir viagem, permanecendo no Rio de Janeiro e seguindo para a incipiente Petrópolis.
     
    A segunda leva de colonos foi planejada pelos presidentes da província João Caldas Viana e Aureliano Coutinho para trabalhar em obras na província, mas eles acabaram em Petrópolis, locando no terreno do plano urbanístico traçado por Koeler. Seriam 600 casais de colonos alemães contratados em 1844, exigindo-se que fossem artífices e artesãos com experiência.
     
    Porém, mal interpretado pelo Vice-Consul do Brasil, foram enviadas quase 600 famílias, ultrapassando a casa de 2300 alemães, entre casais com e sem filhos, solteiros e outros que vieram acompanhados até pelos avós.

    Treze navios deixaram Dunquerque com 2.338 imigrantes, o primeiro deles chegando ao porto de Niterói em 13 de junho e o último em 7 de novembro de 1845, sendo os imigrantes alojados em barracões ao lado da igreja matriz.
     
    Acertados os trâmites legais, eles foram transferidos para o Arsenal de Guerra do Rio, onde se acha hoje instalado o Museu Histórico Nacional, ficando por lá alguns dias e, então, seguiram viagem pela baía da Guanabara e pelo rio Inhomirim até o Porto da Estrela. De lá, para o Córrego Seco, foram a pé ou a cavalo, com escalas na Fábrica de Pólvora e no Meio da Serra, onde existiam ranchos para os viajantes.

    Muitos dos colonos que deixaram Dunquerque não chegaram a Petrópolis em conseqüência do mau passadio a bordo e do surto de febres nos depósitos. Outros, especialmente crianças, não resistiram à penosa subida da serra e foram enterrados pelo caminho. O diplomata belga, Auguste Ponthoz, em seu livro “Avaliação sobre o Brasil”, afirma que 252 imigrantes morreram, sendo 56 nos portos ou na viagem para Petrópolis.

    Vieram muito mais alemães católicos do que protestantes. No dia 19 de outubro de 1845, na praça Koblenz, dia de São Pedro de Alcântara, num altar ornamentado com flores silvestres, o Padre Luís Gonçalves Dias Correia celebrou uma missa para os católicos e o pastor Frederico Ave-Lallemant professou um culto para os protestantes. O Presidente da Província, Aureliano de Souza e Oliveira Coutinho, compareceu a essa solenidade, tendo feito um grande elogio ao trabalho dos colonos. 

    Foram muitas as dificuldades iniciais. Logo que aqui chegaram, foi necessária a compra de 200 cabras para alimentar as crianças, já que suas mães não tinham leite, devido às agruras da viagem. Köeler planejou uma colônia agrícola em Petrópolis sem estudo prévio da geologia do terreno, o que resultou no fracasso do empreendimento.
     
    Os colonos abriram estradas, derrubaram matas para a construção de residências e semearam suas hortas para consumo e foram utilizados nas obras públicas, retificando os rios, drenando os lodaçais e construindo os prédios da povoação. 
     
    Para tornar mais fácil a adaptação dos colonos alemães à nova terra, Koeler nomeou os quarteirões de Petrópolis com o nome de suas regiões de origem, como Mosela, Palatinato, Renânia, Nassau, Bingen, Ingelheim, Simeria, Castelânia, Westphalia.
     
    Ele também homenageou a Família Imperial em dois quarteirões, Vila Imperial e Vila Teresa. Em 1854, Otto Reimarus, que continuou o trabalho de Koeler, criou os quarteirões de Darmstadt, Woerstadt, Worms e outros.
     
    Também prestou homenagem às várias nacionalidades de imigrantes de Petrópolis, nomeando outros quarteirões: Quarteirão Francês, Quarteirão Suíço, Quarteirão Inglês e mais tarde o Quarteirão Italiano. Para os brasileiros que ajudaram a construr Petrópolis, dedicou o Quarteirão Brasileiro e o Quarteirão Mineiro. 

    Hoje, os descendentes dos colonos estão por toda a cidade e seus nomes de família podem ser encontrados no Obelisco do centro da cidade, nos guias telefônicos e dão nomes a ruas e praças. O progresso dos colonos alemães dinamizou Petrópolis, contribuindo para o seu desenvolvimento. O seu trabalho e a sua lembrança fazem parte da cidade. 
     
    Fonte: Prefeitura de Petrópolis


    • TURISMO QUE PODEM TE INTERESSAR

      Bar Veloso abriu as portas em 1945 e virou ícone da boemia carioca
      Saiba Mais
      Engov, remédio contra a ressaca, foi inventado pelo cientista Albert Sabin que doou a fórmula a um brasileiro
      Saiba Mais
      Portal do presídio Frei Caneca, último registro do que foi a maior prisão do Brasil
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Comentário do post Joelma de Paula:
        Que matéria interessante! Vocês tem o nome dos 13 navios, pergunta

      • Comentário do post Marta Oliveira Abreu:
        Parabéns para Petrópolis! Extensivo ao historiador...amei conhecer essa história tão cheia de dramas...e vitórias! Agradeço...

      • Comentário do post anneliese quandt:
        Esta foto me é familiar!! É minha bisavó com seus netos! A bebê sentada a esquerda de seu colo e minha falecida mae! Portanto a foto tem 110 anos!!!
        Comentário do post Bafafá:
        Puxa, Anne, que legal! Esperamos que a matéria e a foto tenham trazido boas histórias e lembranças de família para você

      • Comentário do post Shirley Faetthe Berbert:
        Sou descendente dos BERBERT vieram no navio Argus.


DIVULGAÇÃO