TURISMO >> Histórias do Rio

  • Plano Agache, nos anos 30, previa Centro futurista com praça monumental

    Da Redação em 25 de Junho de 2022    Informar erro
    A gestão do prefeito Antônio Prado Júnior, entre 16 de novembro de 1926 e 24 de outubro de 1930, foi marcada pela abertura de ruas, calçamento, mudanças de alinhamento, obras de saneamento e construção de escolas.
     
    Com este fim ele contratou o urbanista francês Alfred Agache para elaborar o Plano de Remodelação, Extensão e Embelezamento da Cidade. O projeto, que ficaria conhecido como Plano Agache, pretendia organizar o crescimento do Rio, determinando áreas de expansão, prevendo a criação de redes de serviço e tratando da instalação da infra-estrutura urbana.

    O Plano Agache foi a primeira proposta de intervenção urbanística na cidade do Rio de Janeiro com preocupações genuinamente modernas.
     
    Concluído em 1930, introduziu no cenário nacional algumas questões típicas da cidade industrial, tais como o planejamento do transporte de massas e do abastecimento de águas, a habitação operária e o crescimento das favelas. 
     
    O Plano Agache era bem extenso e planejou não só, na época, a cidade do Rio de Janeiro mas toda a extensão do Distrito Federal, incluindo zonas rurais, industriais e subúrbios e sua ligação com as demais cidades e regiões do país. 
     
    Na ponta do Calabouço seria construída uma praça monumental, "a entrada do Brasil" e quarteirões de edifícios com praças e calçadas.
     
    Para inaugurar o conjunto, seria realizada uma exposição universal para para atrair a atenção do mundo para a nova cidade. 
     
    O plano antecipou em 30 anos algo similar planejado em Brasília, a nova capital federal. Uma cidade dividida rigidamente por setores, como hoteleiro, comercial, residencial.

    O projeto nasceu três anos depois do lançamento de Metropolis e foi a tentativa do Agache de criar a sua propria cidade futuristica - impossível de existir na vida real, ao menos que demolissem todo o Rio de Janeiro e criassem uma cidade do zero.
     
    Agache planejou a construção da Praça do Castelo, que seria cortada por três grandes avenidas. Cada uma delas teria um enorme edifício na esquina com a praça. 

    Integrava a proposta de Agache a construção, em aterro a ser feito na Glória, da Entrada do Brasil: um espaço monumental à beira-mar que afirmasse, simbolicamente, o poder da nação.
     
    Acabou que, como sempre, não foi adiante e poucos projetos de Agache saíram do papel.
     


    • TURISMO QUE PODEM TE INTERESSAR

      Viaduto Rei Alberto e Gruta da Imprensa: cantinho quase secreto do Rio há 100 anos
      Saiba Mais
      Ditadura fechou a Panair do Brasil em 1965 para beneficiar concorrente Varig
      Saiba Mais
      Syn De Conde, o galã brasileiro que conquistou Hollywood no início do cinema
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

DIVULGAÇÃO