TURISMO >> Passeios

  • Parque Estadual do Desengano, o primeiro "Dark Sky Park" da América Latina

    Da Redação em 24 de Janeiro de 2024    Informar erro
    Parque Estadual do Desengano, o primeiro

    O parque é administrado pelo Inea e é o primeiro da América Latina a conseguir o título internacional de Dark Sky Park Foto: Márcia Foletto

    Local: Parque Estadual do Desengano
    ENDEREÇO: Horto Florestal Santos Lima - Avenida José Dantas dos Santos, 35 – Itaporanga – Santa Maria Madalena – RJ
    CONTATO: (22) 2561-3072 / 2561-1378
    LINK: Clique aqui e visite o site
    Localizado no Norte do Estado, o Parque Estadual do Desengano (PED) abrange parte dos municípios de Santa Maria Madalena, São Fidélis e Campos dos Goytacazes.
     
    Ele é o primeiro e único Dark Sky Park (em português, um “parque escuro”) da América Latina, local onde estrelas e outros astros invisíveis nas cidades, ocultos pela poluição luminosa, proporcionam um espetáculo noturno.
     
    No Desengano, o grau de escuridão chega a 21,75 mag/arcsec2, uma medida que o qualifica como padrão ouro, próximo do máximo de 22 estabelecido pela IDA. Essa medida indica que a Via Láctea é claramente visível e o céu, repleto de luz e cor.
     
    Estima-se que o local proporciona a visão de mais de três mil estrelas e outros astros.
     
    A Pedra do Desengano é seu principal atrativo e ponto culminante, com 1.761 metros de altitude. Além da grande relevância ecológica dessa unidade de conservação, uma rica cultura no seu entorno e a diversidade de seus atrativos naturais possibilitam a recreação e o turismo ecológico.
     
    Dentro de seus limites, estão protegidas a fauna, a flora, os ecossistemas, garantindo a preservação dos recursos naturais. Trata-se do conjunto de serras mais bem conservadas da região, de uma densa vegetação e rica biodiversidade, possibilitando atividades tais como pesquisa científica e educação ambiental.
     
    Criado em 1970, o parque é uma das mais antigas unidades de conservação estaduais do Rio de Janeiro. Inicialmente foi a Floresta Estadual de Santa Maria Madalena (instituída pelo Decreto-Lei nº 131, de 24 de outubro de 1969).
     
    Sua primeira demarcação estabeleceu a área aproximada de 25 mil hectares. Em 1979, novo perímetro mais preciso foi instituído, que é o atual, de cerca de 22.400 hectares.
     
    A história da região foi marcada pela ocupação de variados povos. Além dos índios Coroados, Purís e Goitacás, que se concentravam bem ao norte do estado, e dos portugueses, em seguida vieram suíços, alemães e italianos, que introduziram seus hábitos e costumes, dando início às mudanças no ecossistema nativo.
     
    Durante o século XVII a colonização trouxe a intensificação do povoamento. O apogeu da produção agrícola ocorreu no século XIX, com grandes plantações de milho, feijão, cana-de-açúcar, mandioca e, principalmente, café.
     
    A ocupação definitiva na Serra Fluminense, porém, só se consolidou com a decadência da mineração do ouro e da prata em Minas Gerais, na primeira metade do século XIX, época em que surgiram municípios como Bom Jardim, Nova Friburgo, Petrópolis, Santa Maria Madalena, entre outros.
     
    O declínio da cultura do café resultou na substituição de seu cultivo por pastagens, causando grande impacto ambiental. As áreas de maior declividade e de acesso mais difícil representavam o que restou para ser preservado, sendo o parque, portanto, um espaço importante para a conservação da biodiversidade da região. 
     
    A vegetação da região inclui floresta ombrófila densa, floresta estacional semidecidual e campos de altitude.
     
    Das 176 espécies de mamíferos encontradas no Estado do Rio, 33 foram identificadas na área do parque, 16 destas ameaçadas de extinção. Veado-mateiro (Mazama americana), a preguiça-de-coleira (Bradypus torquatus), a onça-parda (Puma concolor) e a jaguatirica (Leopardus pardalis) podem ser citados, entre outros.
     
    Entre os primatas estão o macaco-prego (sapajus nigritus), o bugio (Alouattaguariba clamitans) e o muriqui (Brachyteles arachnoides), escolhido como símbolo do parque.

    Já foram identificadas por volta de 167 espécies de aves, muitas destas ameaçadas de extinção, como a jacutinga (Pipile jacutinga) e o macuco (Tinamus solitarius).
     
    O clima tropical apresenta temperaturas elevadas com chuva no verão e seca no inverno. A temperatura média anual é de 20ºC, sendo que, nos meses mais frios, as mínimas são inferiores a 18ºC.
     
    Com intensa influência dos ventos úmidos do mar, a região é submetida a ampla ocorrência de chuvas, especialmente nos trechos de maior altitude e na área voltada para o Oceano Atlântico. Os totais anuais médios variam entre 1.100 mm e cerca de 1.450 mm, nas maiores altitudes.
     
     
    Fique atento: Para o período de chuvas fortes mais frequentes, que vai do mês de setembro a abril. A melhor época para visitação é de maio a agosto.
     
    Com 1.761 metros de altitude, é o ponto culminante do parque e um dos atrativos mais procurados. A trilha de acesso tem 3,6 km, com alto grau de dificuldade, devido, principalmente, à declividade do percurso. O tempo estimado de subida é de 4 horas.
     
    Antes de chegar à Pedra do Desengano, o caminho percorre a Serra dos Marreiros por trechos íngremes dentro da floresta, com passagem sobre lajes de pedra, cobertas de bromélias e orquídeas.
     
    Ao chegar ao cume, a vista é privilegiada. É possível ver a Serra da Morumbeca e a Serra Grande, que formam a paisagem conhecida como “mar dos morros”, compondo parte do Vale do Paraíba do Sul. Em dias de boa visibilidade, pode-se avistar também a baixada litorânea. 
     
    Como chegar :
    Em Santa Maria Madalena é necessário tomar o caminho da Estrada de Terras Frias. Na guarita, logo após um pórtico, começa outra estrada que leva à Estalagem Morumbeca. A trilha tem início à direita do chalé, na Estalagem, próximo à porteira da estrada.
     
    Com mais de 70 metros de altura, a Cachoeira Tombo d’Água impressiona pela imponente queda e grande beleza. A Cachoeira Maracanã, com cerca de 5 metros de altura, forma uma piscina natural propícia para banho, tendo formação curiosa, como um anfiteatro, contendo em volta estruturas geológicas que lembram claramente as arquibancadas de um estádio, o que remete ao monumental estádio do Maracanã.
     
    As duas cachoeiras estão muito próximas, com menos de 10 minutos de caminhada entre os dois atrativos.
     
    Como chegar :
    Pela Estrada para Mocotó. O início da trilha fica próximo à Porteira da Fazenda do Mocotó, ao lado da ponte de madeira que leva à Escola Municipal de Mocotó.
     
    Fonte: Parques RJ
    Fotos: Site Parques RJ e Página Amigos do Parque do Desengano FB
     
     
     


    • TURISMO QUE PODEM TE INTERESSAR

      Itapebussus, uma das praias mais deslumbrantes e escondidas de Rio das Ostras
      Saiba Mais
      Sandboard, uma experiência incrível em duna isolada de Cabo Frio
      Saiba Mais
      Vale dos Frades, um lugar idílico em Teresópolis com uma incrível formação rochosa
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

DIVULGAÇÃO