TURISMO >> Bairros

  • Inhangá, o Morro escondido de Copacabana

    Da Redação em 27 de Julho de 2020    Informar erro
    Escondido em meio aos prédios, o Morro do Inhangá, é um dos cantos menos conhecidos de Copacabana. O acesso é pela Rua General Azevedo Pimentel na altura da Praça Cardeal Arcoverde quase em frente ao Teatro Glaucio Gil. Depois são duas ruas até o topo, a General Barbosa Lima e a Lysia Cavalcanti Bernardes, apontada como a menor rua do bairro com apenas 20 metros e sem saída. 
     
    Palavra de origem tupi-guarani, Inhangá vem de Anhangá que significa espírito ruim ou alma errante. Reza a lenda que o costão rochoso do morro atraía os raios nas tempestades.
     
    Com cancela no início da rua e acesso restrito a veículos, ela pode no entanto ser percorrida a pé, tendo inclusive uma escadaria que dá ao lado da Sala Baden Powell. 
     
    Na casa n.2 da General Barbosa Lima foi filmada a novela "O casarão", com Paulo Gracindo e Yara Cortez.
     
    Ao todo as ruas têm 405 metros de extensão com edifícios de classe média alta.
     
     
    Quando Copacabana foi urbanizada, eram três morros, sendo que dois acabaram demolidos. Um deles para permitir a continuidade da Av. Nossa Senhora de Copacabana e o outro para a construção da piscina do Copacabana e dos edifícios Chopin, Prelúdio e Balada.
     
    Alexandre José Barbosa Lima nasceu no Recife, em 1862. Conhecedor da engenharia militar e bacharel em Matemática e Ciências Físicas e Naturais, passou por todos os postos no exército até se reformar como general-de-brigada. Foi professor da Escola Militar da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro, e da Escola Militar do Ceará.
     
    Seguiu a carreira política sendo deputado pelo Ceará (1890-1891), por Pernambuco em duas legislaturas (1896-1899 e 1930), Rio Grande do Sul (1900-1902) e pelo então Distrito Federal (1906-1917). Foi também senador pelo Amazonas (1923-1929) e governador do Estado de Pernambuco (1892-1896).
     
    A rua Lysia Cavalcanti Bernardes ganhou esse nome em homenagem a professora e geógrafa.
     
     

    ATENÇÃO
    Não somos responsáveis por alterações na programação.
    Recomendamos que confirmem os eventos através dos links ou telefones divulgados.
    Apenas organizamos e compartilhamos a informação.




    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Comentário do post Romir Antonio Marques filho:
        Adoro notícias sobre Rio antigo. Ano está cidade.

      • Comentário do post Laplace Santanna:
        Muito bom saber da nosso própria história, sobretudo a local.

      • Comentário do post Mariem Teixeira:
        Morei na Azevedo Pimentel desde que nasci, em 1945, até 1952. Meu pai me levava à praia passando pelo Morro do Gato, como chamávamos o Morro do Inhangá. Descíamos pela escadaria que ia dar na Av. Copacabana, e de lá alcançávamos a praia. Brinquei muito na rua sem saída, que fica à esquerda da Azevedo Pimentel, onde existe, ou existia um castelinho.

      • Comentário do post Tibau:
        Escalei a pedra do Inhangá varias vezes. Subiamos pela chaminé e desciamos pir rapell no paredáo. Velhos tempos de Copa...9ede78a17


CURTA O BAFAFÁ!

DIVULGAÇÃO









#AGENDABAFAFA