TURISMO >> Histórias do Rio

  • Inaugurada em 1905, Av. Rio Branco era uma réplica dos boulevards parisienses

    Da Redação em 20 de Janeiro de 2022    Informar erro
    A construção da Av. Central, a partir de 1904, exigiu a demolição de aproximadamente 600 prédios antigos. Com 1.800 metros de extensão e 33 metros de largura, ligando o porto à Av. Beira Mar, a nova avenida mudou a cara do Rio de Janeiro.
     
    Curioso e abusivo foi a portaria municipal que dava poderes ao prefeito de desapropriar e de tomar posse de casas sem procedimento judicial. Bastava fixar um aviso nas moradias que seriam derrubadas e concedendo um prazo estreito para que seus moradores saíssem.
     
    O projeto da obra foi chefiado pelo engenheiro André Gustavo Paulo de Frontin e incluia demolição, pistas, calçamentos, sistemas de esgoto, água, iluminação e eletricidade. 
     
    O estilo dos edifícios seguia o ecletismo francês com muita pompa e grandiosidade. Na formatação da rua, e isso vale até hoje, o trecho inicial da Praça Mauá até a Candelária, tinha foco nas casas de câmbio, negócios portuários, casa da moeda e bancos.
     
    O segundo trecho, entre o que é hoje a Av. Presidente Vargas e a Av. Almirante Barroso, era voltado para grandes magazins, moda, cafés, uma verdadeira vitrine para ser visto.
     
    O trecho final, da Almirante Barroso até o Obelisco, era voltado para a cultura e o entretenimento, não é a toa que a Cinelândia ganhou esse nome em função das diversas salas ao longo da praça. Destaque ainda para o Theatro Municipal (réplica da Ópera de Paris), a então Escola Nacional de Belas Artes e a Biblioteca Nacional.
     
    Não é a toa que o Rio de Janeiro passou a ser chamada de Paris tropical. 
     
    A inauguração da Avenida Central aconteceu em 15 de novembro de 1905. O calçamento ganhou pedras portuguesas construídas por operários trazidos de Portugal especialmente para esta tarefa.
     
    A iluminação era outro destaque com lampadários a base de óleo de baléias. O canteiro central ganhou mudas de pau-brasil e vagas de estacionamento para a então pequena frota de automóveis da cidade.
     
    Consta que nos primórdios da então Av. Central, políticos locais chegaram a apresentar uma lei obrigando homens a usar trajes completos na avenida. Que obviamente nunca vingou...
     
    A partir 1912, a avenida foi rebatizada em homenagem ao diplomata e ministro das Relações Exteriores do Brasil, o Barão de Rio Branco falecido neste ano.
     
    Fonte: Multirio
     
    Leia mais:


    • TURISMO QUE PODEM TE INTERESSAR

      Botafogo teve barcos a vapor ligando o Centro a partir de 1843
      Saiba Mais
      Nevasca isolou o Parque Nacional de Itatiaia em 1985, frio chegou a 10º negativos
      Saiba Mais
      Planaéreo do Rio, projeto de 1937, teria hélices de avião e circularia em trilhos suspensos
      Saiba Mais


    • COMENTE AQUI

      código captcha

      O QUE ANDAM FALANDO DISSO:


      • Seja o primeiro a comentar este post

DIVULGAÇÃO